quarta-feira, 10 de maio de 2017

Rota dos Castelos 2017 (23 e 24 SET2017)

2 dias/etapas, numa extensão total de 180km.
Guiado por gps, em autonomia total.
Sem classificações nem prémios.
Participação por equipas.
Sem imposição de horários de partida/chegada
Visita a 6 castelos do distrito de Castelo Branco e zonas históricas
Estadia em Hotel ****, em quarto duplo, com acesso a piscina interior aquecida, sauna, banho turco, jacuzzi, vista panorâmica, jantar e pequeno-almoço tipo buffet.
Evento de convívio e conhecimento pela Beira Baixa

INSCRIÇÕES E INFORMAÇÕES (clique)

domingo, 9 de abril de 2017

Participação da equipa (Sertã)

Página do evento

Foto de Carlos António Tóny.

Representação a cargo de:
42km - Carlos António

Cheguei cedo, cerca das 08H15, pois a viagem até à Sertã foi curta, cerca de 8 Kms.
Ainda praticamente não havia atletas.

 A minha primeira paragem foi junto da sede do Selinda BTT para levantar o frontal, operação esta que foi rápida, pois fui quase dos primeiros. A manhã estava óptima, com o sol a brilhar e temperatura amena, ingredientes fantásticos para a prática de BTT




Depois segui para junto do pavilhão municipal,  local onde iriam ser os banhos, pois assim no final da prova não seria necessário andar de viatura todo suado.

Após algumas afinações finais na máquina, desloquei-me para o local de inicio da prova, como de costume na bem conhecida Alameda da Carvalha, onde ainda eram poucos os atletas.


Como ainda era cedo aproveitei para tirar algumas fotos, junto de um pequeno museu ali existente (lagar de vara).


Até que começaram a chegar mais atletas e a coisa começou a ficar mais composta.

A zona de partida era composta por várias boxes, primeiro partia a maratona (federados/não federados) e só dez minutos depois partia a meia maratona.

A zona de partida até ficou bem composta , compareceram cerca de 200 atletas, e alguns até vieram de bem longe (da zona do Porto), a equipa do FutPark BTT, bem numerosa cerca de 15 elementos, que me fizeram uma escolta à partida.

A prova começou bem rápida, como já é normal com cerca de 3 Kms em asfalto e depois com a entrada em terra, com um constante sobe e desce, até chegar-mos a Pedrogão Pequeno, onde iria-mos descer que nem uns loucos em calçada romana, até bem junto do Rio Zêzere.

Onde tinha-mos uma vista fantástica sobre o rio, local óptimo para tirar umas belas fotos.




Aqui se via a altura da ponte do IC8, vista de baixo até metia medo.

Lá bem juntinho do rio, num local chamado Curral das Freiras, foi servido um belo abastecimento, onde não faltava bastante fruta, líquidos, marmelada, barras de cereais...

E até o belo do churrasco (entremeada, entrecosto, febras, etc) no pão.

Tinha-mos que abastecer bem, porque para sair daquele" buraco", seria bem complicado, cerca de 3 Kms a subir, onde se seguiria mais um constante sobe e desce até à zona do Cabeçudo.

Onde chegaria-mos ao também já conhecido single tracks da caveira.



E ao trilho do Túnel, para quem não conhece são uns bons 200 metros debaixo do chão com os pés molhados e com luzinhas dos lados a sinalizar, mas a ver muito pouco por onde passas, mas não á perigo de te perderes, hé. hé, hé.



E finalmente cheguei ao fim, onde tirei mais umas fotos e uma vez mais com os colegas do pedal do  FutPark BTT, estes dois que me fizeram companhia desde Pedrogão até à meta.


E agora depois de cerca de 40 Kms bem durinhos, foi o merecido banho, banho este onde a água quente era escassa, um dos poucos pontos negativos a apontar a este passeio, mas nada de grave pois até nem soube nada mal.

E finalmente chegou a parte melhor, como já é habitual o almoço foi servido no já conhecido restaurante "Ponte Velha". Começando pelas entradas, com diversos fritos (croquetes, rissóis, pastéis de bacalhau, etc...).

... passando pela sopa de peixe da Dona Helena...

... carne assada no forno com arroz e batata assada...

Tudo isto na boa companhia dos amigos do "Fôjo", que após o final da prova me deram o prazer da sua companhia.


E como não poderia deixar de ser, pois seria como ir a Roma e não ver o Papa, eis que surge o delicioso maranho e o bucho. 


Não fiquei para a entrega de prémios, mas ficaram de me entregar à posterior, hé, hé, hé.


Depois de mais um dia de Btt bem passado, onde tudo correu dentro das expectativas, partida dada a horas, percurso bem marcado com fitas e cal no chão, abastecimentos espectaculares, e principalmente sem avarias ou quedas (da minha parte), pois parece que houve três quedas mais graves, e um grande convívio com os amigos do pedal, eis que chegou ao fim mais uma maratona Selinda Btt (***** estrelas). Só foi pena não ter a companhia de alguém da Equipa.
Classificações da Meia Maratona Open 42Km
001.º - 01:52:33 - Ricardo Freire (Transfor- Fátima Btt)
002.º - 01:57:51 - Marco Fernandes (Markauto)
003.º - 02:00:54 - Jorge Henriques (Lourival Bike Team)
014.º - 02:26:53 - Carlos António (Clube de Btt Zona55)
112.º - 04:14:13 - Ultimo


ÁLBUM FOTOGRÁFICO

Créditos à reportagem:
Texto: Carlos António
Fotos: Carlos António e SelindaBtt

Participação da equipa (Água Travessa)

Representação a cargo de:
50km - João Valério

Pela primeira participei neste evento, que realizou a sua 2.ª edição. Por ser relativamente perto (26km) de minha casa e devido a ter de ir trabalhar depois de almoço.

 Sem surpresas e mesmo com um cartaz a anunciar prémios monetários para os primeiros classificados, deparei-me com poucos inscritos/participantes. Contei apenas 24 atletas presentes.

O levantamento do dorsal foi rapidíssimo, pois não tinha ninguém na fila, apesar de ter chegado a 30 minutos antes da hora prevista (9h00). 

Com tempo de sobra,  ainda fui dar duas voltas de algumas centenas de metros numa espécie de circuito natural de piso misto e improvisado.

 Apesar de alguma aragem fresca, o sol brilhava lá no alto, o que prometia uma boa manhã de btt.

Apesar de poucos participantes, ainda assim a partida atrasou alguns minutos.

Por forma a terminar a volta o mais rapidamente possível para chegar ao trabalho a horas, arranquei a fechar um grupo de 9 que tomaram desde logo a dianteira, tendo nós deixado logo ali em algumas centenas de metros os restantes participantes a alguma distância. 

Os primeiros 4km foram compostos de diversos sobe e desces curtos, mas exigentes, pois ainda tinha as pernas penrras, o que me fez desde logo perder o contato com o grupo da frente, ficando somente num despique com o que seguia em oitavo, que com alguma facilidade acabei por ultrapassar rapidamente, pois queixava-se do pólen estar a dificultar-lhe a respiração, o que também eu sentia, mas acho que era do meu peso a mais... ou da falta de treino!

A primeira zona de abastecimento surgiu num ápice. Após as dificuldades iniciais de constantes sobes e desces, apareceram-nos longos segmentos para rolar a fundo, em que o meu gps ia marcando entre os 23/27km/h.

Encontrei o percurso quase sempre bem marcado, com fitas, placas e cal no chão. Não seria fácil alguém enganar-se.

A fraca divulgação do evento terá ditado uma fraca adesão de participantes, mesmo com o chamariz de prémios monetários, mas ainda assim eu julguei vir a ver cá muitos dos cavalões da região, o que não aconteceu.

Após a bifurcação para ambas as distâncias o cenário mudou completamente para os 50km. As enormes retas e planícies deram lugar a constantes entradas e saídas em vales, por vezes a exigirem alguma técnica. Algumas subidas de inclinação extremamente acentuada, tendo-me rendido e apeado numa delas pela rapidez e surpresa entre uma descida rápida com um gancho a subir a pieque imediatamente... parecia uma montanha russa.

 Apesar de poucos participantes, não faltava staff ao longo do percurso a auxiliar nas zonas de atravessamento com as vias de trânsito, nem meios de socorro.

Já após a divisão de percursos, ao passar numa zona de controlo questionei um elemento do staff quantos seguiam na minha frente, foi quando rejubilei ao saber que seguia em quarto lugar dos 50km.

Aos 34km e numa pequena subida, avistei o participante que seguia em terceiro a empurrar a bicicleta à mão, vindo depois a relatar-me que havia partido o desviador traseiro. Neste momento passei eu a fechar o trio do pódio, o que se manteve até final. 

No final o gps marcou-me 45km, menos 5km que o anunciado pela Organização. Com uma média um pouco abaixo dos 20km/h, garanti o 3.º lugar do pódio à geral na distância maior. Fui tomar um banho rápido, pois a água fria e já me chamavam para ir receber o troféu. 

 Infelizmente os prémios monetários só contemplavam o primeiro e segundo classificado, pelo que tive de contentar com o troféu + 1 medalha de participação, o que não foi nada mau, pois nem estava a contar fazer pódio.

Mais uma lembrança para expor na sede do nosso Clube... quando estiver pronta.

Não fiquei para almoçar, à semelhança da maioria dos participantes, mas tivemos direito a uma foto de grupo, onde estão presentes todos os participantes, coisa que até hoje nunca me tinha sucedido em tantos anos que tenho participado em eventos de btt.


Track 50km do 2.º Evento de BTT de Água Travessa

CLASSIFICAÇÕES GERAIS
Classificação Maratona (50km)
01.º - 01:48:00 - Manuel Alves (Pedais do Arrão)
02.º - 01:50:30 - David Nunes (Falcões BTT)
03.º - 02:14:50 - João Valério (Clube de BTT Zona 55)

ÁLBUNS FOTOGRÁFICOS
Créditos à reportagem
Texto: João Valério

Fotos: Organização

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...