domingo, 26 de fevereiro de 2017

Participação da equipa (Romeira)

Representação a cargo de:
35km - Vítor Guerra
60km - João Guerra, João Valério

Fui o primeiro da equipa a chegar à pequena povoação de Romeira, a escassas quilómetros da cidade distrito de Santarém, pelas 08:15, onde havia espaço suficiente para estacionar. Os irmãos Guerra foram de casa de bicicleta, numa curta viagem de 5km, para aquecerem os músculos. Levantei os dorsais e esperei pouco pela chegada dos meus companheiros de equipa. 

Levantei os nossos dorsais calmamente e sem filas. Ali ao lado estava a mesa posta, com uma simpática miscelânea de doces, frutas, sumos e águas, mas não me senti tentado, antes pelo contrário, tive de recorrer aos lavabos para largar lastro.

O dia estava espetacularmente solarengo, um pouco fresco, mas suportável. O terreno ansiava pelas nossas rodas. Apesar de  me ter custado a levantar de manhã para guiar 75km até aqui, senti-me feliz e satisfeito por ter aceite o convite do João Guerra para participar, ao invés de ter ficado na cama a ganhar rugas. 

A entrada para a manga única de distâncias realizou-se calmamente para os cerca de 150 participantes inscritos ali presentes neste que foi o primeiro evento organizado pela equipa da Ofimoto/Rvirtual. As expetativas eram muitas, pois nas imediações há muitos trilhos dignos desse nome e apropriados para a prática de btt.


O João Guerra, como é seu hábito, colocou-se junto à cabeça do pelotão, tendo saído no grupo da frente e desde logo a dar tudo o que tinha para dar. 


 Eu e o Vítor arrancámos a cerca de meio pelotão e em ritmo descontraído, apesar de irmos para distâncias com extensões diferentes. 


Surpreendentemente, os atletas na cabeça do pelotão pareciam travar um andamento desenfreado logo à saída da partida, mesmo apesar de não haver carro ou moto na sua frente, o que levou a que o pelotão total se mantivesse unido inicialmente durante algum tempo, dando tempo para um aquecimento ligeiro, pois percorremos algumas centenas de metros em asfalto até nos enfiarmos no mato.

 O João Guerra, que para ele esta zona é o seu quintal de treinos, levou a sua audácia longe demais logo ao km17, onde numa descida acentuada perdeu o controlo da sua Bergamont, tendo vindo a cair e sendo recolhido do local por se apresentar com dores e sem condições físicas que o permitissem continuar em prova.

Ainda não tinham passado 10km e lá começaram os problemas... pois as fitas sinalizadoras de percurso escolhidas eram pretas e amarelas, fazendo-as passar despercebidas, além de se encontrarem mal colocadas também se agarravam à vegetação e arvoredo e outras ainda desprendiam-se e rolavam pelo chão. As marcações no solo, em pó de pedra, especialmente setas, também não abundavam e o mesmo sucedia com as setas em madeira.


Após cerca de 4km enganados, num pelotão de cerca de 15 participantes, onde seguia o Vítor Guerra, eu, a que se sagraria vencedora feminina dos 60km e mais uns quantos rapazes, lá conseguimos voltar ao percurso correto, mas já com acumulado positivo extra e bastantes minutos perdidos para os restantes competidores, numa altura em que o percurso ainda era comum a ambas as distâncias.


Apesar de ter encontrado bastantes trilhos fabulosos e ter visto algum trabalho de limpeza que deverá ter dado bastante que fazer à Organização, o certo é que fomos brindados com demasiados quilómetros em asfalto, atrevendo-me a arriscar mais de 20km percorridos em alcatrão. Parafraseando um participante que a páginas tantas seguia junto de mim: "Se eu soubesse tinha trazido a bicicleta de estrada!".

Depois da separação de percursos e nova união destes, voltámos à zona onde se deu a partida, onde o mini-raid tinha fim e o raid seguia para mais 17km, quase todos eles em asfalto e a rolar entre os 30km/h e os 45km/h. 

Já a escassos quilómetros da meta encaminharam-nos para uma zona-espetáculo, onde me voltei a enganar, seguindo em frente e voltando com 400m não previstos. Relativamente a zonas de abastecimento, vi diversas mas não usei nenhuma, uma vez que fui abastecido de casa.



Já a apenas 100m da meta, voltei-me a enganar por inexistência de quaisquer tipo de marcações, levando-me a percorrer +800m além do percurso regular, tendo assim terminado com uma cabeça do tamanho de um melão, mas feliz com a minha prestação pessoal, face à minha atual condição física.

No fim de contas o João Guerra foi quem ganhou... o metacarpo e o pisiforme da mão esquerda fraturados e 2 meses de baixa, mas por outro lado teve de me pagar o almoço porque estava em jogo qual de nós chegaria em primeiro à meta... a pedalar. Venham dias melhores, porque agora fiquei sem o meu principal concorrente da equipa, para me dar cabo do juízo e me desafiar para a luta no btt.


Percurso da distância maior (Raid 60km)
Realizado com enganos versus Marcado para realizar


ÁLBUM DE FOTOS DA ORGANIZAÇÃO


CLASSIFICAÇÃO GERAL
Classificação Meia Maratona (35km)
01.º - 01:23:30 - Luís Cardoso (Róódinhas/Santos Silva)
02.º - 01:27:52 - António Eloy (Ribabike)
03.º - 01:27:59 - Hélder Costa (Ass. 20km Almeirim/O Forno)
51.º - 02:13:47 - Vítor Guerra (Clube de BTT Zona 55)
111.º - 03:17:19 - Último

Classificação Maratona (60km)
01.º - 02:41:02 - Fábio Pedrosa (Casa Povo Abrunhosa)
02.º - 02:41:04 - Sérgio Gaspar (Bike Box)
03.º - 02:43:37 - Gil Azóia (Róódinhas/Santos Silva)
28.º - 04:11:05 - João Valério (Clube de BTT Zona 55)
35.º - 04:42:09 - Último
DST - João Guerra (Clube de BTT Zona 55)

Créditos à reportagem
Texto: João Valério
Fotos: Scalabitrilhos, Tiago Carvalhal, Carla Silva, João Valério

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...