domingo, 6 de março de 2016

Participação da equipa (Alpiarça)

Representação a cargo de:
40km - João Guerra, Pedro Lourenço, Vìtor Guerra



A 9 ª Maratona de BTT Águias de Alpiarça a contar para a Taça Regional XCM de Santarém e para o Troféu XCM Olympia, contou nesta edição com cerca de 350 atletas, divididos em duas distâncias: 40 e 80 kms, sendo que, na distância maior seriam duas voltas ao mesmo circuito.

Desta feita compareceram a esta chamada, três membros do Clube de BTT Zona 55, da esquerda para a direita: Pedro Lourenço, Vitor Guerra e João Guerra.

Também nesta prova os participantes foram perfilando na linha de partida por box’s, conforme a ordem de inscrição.

A partida para a Meia Maratona deu-se pelas 09H34, quatro minutos depois dos federados da Maratona e mais dois minutos depois da Maratona Promoção.


Inicio bastante rápido, os primeiros três kms em alcatrão foram rolados a uma média de 40 kms/hora.



Esta previa-se uma prova rolante e rápida, sem grandes dificuldades técnicas e assim foi para a maioria dos atletas, punho enrolado até ao fim.


Prova rápida com um percurso a privilegiar os estradões, mas com alguns singles engraçados. As marcações estavam ao nível do que se exige numa prova destas, da nossa parte não houve qualquer engano.


No único abastecimento que vi a meio do percurso (lá do alto da minha bike e a grande velocidade, héhéhé… porque até eu já não paro nestes locais de distração), não me pareceu  que o dito abastecimento fosse muito farto e até a agua foi distribuída apenas neste local.





Os nossos representantes, foram alternando as posições entre si, até que finalmente o Pedro conseguiu levar de vencida os manos Vitor e João Guerra.




Tendo em conta que esta prova desenrolou-se quase na totalidade dentro do mato, não teve por isso grande afluência de público, à exceção da zona da partida e na meta, que ai sim se juntaram algumas dezenas de pessoas.

Nenhum elemento da Zona 55 esteve presente no almoço, por isso não podemos falar, mas em Alpiarça não se costuma comer mal, por isso acredito que tenha sido bom.

No geral o balanço é positivo, para o ano logo se vê!
NOTA: 6/10

001.º - 01:24:15 - Luís Ferreira (Team A&R Aguiar/Coelhos Seguros/Tó Bikes)
002.º - 01:24:15 - Pedro Pinheiro (Róódinhas/Santos Silva)
003.º - 01:24:18 - Diogo Sampaio (Crédito Agrícola/Águias de Alpiarça/Euromaster MB)
121.º - 01:50:44 - Pedro Lourenço (Clube de BTT Zona 55) | 23.º Vet. B
135.º - 01:54:29 - João Guerra (Clube de BTT Zona 55) | 28.º Vet. B
138.º - 01:54:55 - Vítor Guerra (Clube de BTT Zona 55) | 30.º Vet. B  
237.º - 03:18:04 - Último

ÁLBUNS FOTOGRÁFICOS
https://www.facebook.com/mf.equipadesportiva/

Créditos à reportagem
Texto: João Guerra
Fotos: Casais Lagartos Bike Team, Urbina Varela, MF Bike.

Participação da equipa (Pego)

Representação a cargo de:
45km - Carlos António, João Valério, Rui Almeida

Voltámos à aldeia das casas baixas (Pego) para o tradicional passeio anual onde a nossa equipa garante sempre presença! De uma só assentada estreámos-nos 3 elementos em eventos organizados neste ano de 2016.  

A manhã estava fresquinha, mas o sol raiava! Que fenomenal manhã de Inverno para a prática de btt. Mais uma vez a Organização esteve a cargo do CAMP (Clube de Aventura e Motorizado do Pego). 

Cerca de 80 bttistas deslocaram-se à aldeia do Pego, concelho de Abrantes, para participar neste passeio onde nos foram disponibilizadas 2 distâncias: 25km e 45km. Até o sr. Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Abrantes, natural desta aldeia, nos honrou com a sua presença na zona de partida.

Partimos com escassos minutos de atraso nos fazermos aos trilhos das redondezas, bem bonitos por sinal, com muitos quilómetros junto do leito do Rio Tejo.

Após o início por algumas ruas da localidade descemos pela primeira vez do dia até às margens do Tejo, para de novo voltarmos a subir à aldeia e fazermos uma passagem próxima do Pavilhão Desportivo e Junta de Freguesia locais.

Definitivamente embrenhámos-nos na terra batida em direção à Central Termoelétrica, aproveitando muito do percurso da GR12 E7 (Caminho do Tejo), num constante sobe e desce usualmente apelidado pelos ciclistas de rompe pernas. 


Neste passeio optámos por seguir sempre juntos até ao final os 3 representantes da Zona 55 

Já com algum cansaço atingimos a divisória dos percursos, onde estava localizada a primeira zona de abastecimento, comum a ambos os percursos. 


Com a torre da Central Termoelétrica lá ao fundo e quase sempre presente com os seus altivos 218 metros de altura, fomos-nos afastando do Pego e percorrendo trilhos lindíssimos por entre eucaliptos e pinheiros. O terreno esteve quase sempre impecável o que facilitava a progressão.


Ao longo do percurso lá fomos vendo um outro elemento da Organização, pois com o reduzido cruzamento com rodovias não havia necessidade do seu auxílio. O percurso estava marcado maioritariamente por fitas (vermelhas e brancas), que por serem demasiado estreitas e até um pouco transparentes, por vezes encontravam-se enroladas e até mal colocadas, o que por vezes exigiu bastante atenção para seguirmos o caminho certo.



O regresso à aldeia foi a parte do percurso que mais gostei, quase sempre em patamar, pois claro, que a nossa falta de treino era evidente depois de um inverno algo rigoroso em que pouco mexemos nas bicicletas para não as constipar nem estragar material.



Foi uma pena este ano não haver mais fotógrafos ao longo do caminho, que é uma das coisas que o pessoal aprecia bastante e leva também de recordação do dia.


Descontraidamente e num ritmo ligeiro regressámos ao ponto de onde partíramos horas antes, com um enorme sorriso na cara. Zero quedas, zero avarias, zero problemas!

Como chegámos na hora de maior enchente e só havia uma máquina de pressão para lavar as biclas, tivemos de esperar, mas não fez mal porque o almoço também ainda não estava pronto.


Antes da banhoca ainda tive de dar um pulinho à cozinha para verificar se os cozinheiros sabiam o que estavam a fazer e fazer testes de qualidade à comida e à bebida, mas esta malta amiga não falha e desde logo lhes atribui 3 estrelas Maxxis (lool). 

O almoço decorreu num animado ambiente, como é hábito por estas paragens, pondo a conversa em dia com muitos amigos que já não víamos quase desde o Outuno. Segui-se a cerimónia de entrega de prémios, onde não recebemos nenhum para não quebrar a tradição, que a malta quer é curtir os trilhos e deixar a competição para os mais novos e mais folgadios. 

No final percorremos cerca de 38km com 644 metros de acumulado positivo e divertimos-nos bastante. No próximo ano prometemos voltar.

CLASSIFICAÇÕES
Geral Femininos / Geral 25km / Geral 45km
45km
01.º - 01:36:32 - José Sousa (individual)
02.º - 01:39:28 - Flávio Santos (AC BTT Fôjo) 
03.º - 01:51:17 - Diogo Gomes (individual)
39.º - 03:02:10 - Carlos António (Clube de BTT Zona 55)
40.º - 03:02:10 - João Valério (Clube de BTT Zona 55)
41.º - 03:02:11 - Rui Almeida (Clube de BTT Zona 55)
48.º - 03:24:03 - Último

ÁLBUNS FOTOGRÁFICOS

Créditos à reportagem
Texto: João Valério
Fotos: Zona 55 Bike Team

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...