domingo, 23 de fevereiro de 2014

Participação da equipa (Carregueira)

Representação a cargo de:
40km - João Guerra, João Valério e Pedro Lourenço

A Carregueira foi a localidade escolhida para alguns atletas do nosso Clube iniciarem a época desportiva de 2014. Foi também o 1º passeio competitivo do Pedro Lourenço a representar as cores da Zona 55.


Os três representantes da nossa equipa, João Valério, Pedro Lourenço e João Guerra chegaram bem cedo, tendo pertencido ao Presidente do Clube fazer o levantamento dos sacos com os respectivos dorsais e brindes, o que demorou algum tempo, tendo nós ficado com a ideia que esta tarefa poderia estar melhor organizada e talvez por esta demora, levou-nos à troca de dorsais entre nós três e posteriores classificações também trocadas.

Compareceram nesta localidade cerca de 200 bttistas, sendo que cerca de 160 optaram pela distância maior, a de 40 Kms, e cerca de 40 a integrarem o passeio guiado de 10 Kms.

O tempo apresentava-se bastante bom para a prática da modalidade e se tivermos em conta o rigoroso inverno que temos tido, podemos mesmo dizer que este dia estava excelente. A partida para a distância maior foi dada à hora marcada, sendo que o passeio guiado saiu cerca de 10 minutos depois.

A primeira subida do dia, quando estavam apenas percorridos quatro ou cinco kms, ditou praticamente logo ali a classificação final, se assim não foi, pelo menos a da Zona 55 foi. O Pedro a assumir as despesas da nossa representação e a passar em primeiro da equipa na primeira dificuldade do dia.

O João Guerra vinha mais atrás e não forçava muito o andamento, uma vez que estreava aqui a sua nova Bergamont 29er e não queria gripar o motor logo na primeira prova da sua máquina.


O João Valério seguia logo atrás com a missão de captar imagens e outros pormenores para reportar mais tarde.


 
 
Uma das passagens com uma paisagem espetacular a envolver os participantes, junto a uma represa e com passagem sobre uma pequena ponte logo após um cotovelo.








Percurso rolante com cerca de 600 mts de altimetria e não fosse a chuva dos últimos dias, teria sido ainda mais agradável de se fazer, mas ainda assim foi do agrado da maior parte dos participantes. Nota positiva também para o espetacular ST já quase no final, que fez as delícias das 29er... e das outras.


As marcações estavam muito boas e o abastecimento qb (podia estar melhor).




Após a chegada, a organização disponibilizou lavagem de bicicletas, mas o local (na berma da estrada para os últimos 400mts. da prova) foi, julgamos, mal escolhido e o facto da mangueira não ter uma máquina lavadora de pressão na ponta foram pontos menos bem conseguidos.

Todos os participantes foram presenteados com um saquinho de laranjas, um pack de molhos e uma caneca de barro.

O merecido almoço, era composto por uma sopinha de legumes, pão, arroz de feijoca com carnes grelhadas, fruta e para os que se esforçaram mais, tiveram direito a uns copinhos de vinho tinto, para os outros, água ou suminho. Parabéns à organização, para o próximo ano contamos estar presentes novamente.
Classificamos este evento com NOTA:7 (0 a 10) 



CLASSIFICAÇÃO GERAL
001.º - 01:33:00 - António Eloy (Ribabike)
002.º - 01:33:05 - Luiz Cardoso (Campinos do BTT/Rede Energia)
003.º - 01:34:44 - Vasco Costa (Bike Zone Santarém/ Treinos JPF Lopes)
018.º - 01:50:10 - Pedro Lourenço (Zona 55/O Praticante)
025.º - 01:55:40 - João Guerra (Zona 55/O Praticante)
045.º - 02:03:00 - João Valério (Zona 55/O Praticante)
155.º - Último - 03:33:00
Créditos à reportagem:
Texto: João Guerra
Fotos: Urbina Varela, JK's Photografy, Zona 55
Video: Zona 55

Participação da equipa (Ourém)

Representação por:
45km - José Silva
60km - David Gonçalves e Luís Cancela

Teve lugar na cidade de Ourém a 1º. Prova do Troféu BTT Concelho de Ourém, sob a organização do BTT Clube dos Pinheiros, com o especial apoio da empresa Ourém Viva/Municipio de Ourém, que entra assim na sua 3ª. edição e é aberta a praticantes em geral, federados ou não. Na partida perfilaram-se cerca de 500 atletas. A partida foi dada às 09H15, antes da partida era patente um certo nervosimo, pois sentia-se a aurea competitiva da prova, para ganhar o troféu. Especialmente o grupo da frente que teve o cuidado de colocar as máquinas cedo na posição de partida para ganhar posição, para melhor colocação no arranque.

Estivemos presentes 3 elementos da equipa, cujo objectivo passa por tentar fazer a melhor classificação possível no geral das 4 provas deste troféu, tendo a nossa prestação sido aceitável. A organização, antes de inicio da prova, no brifieng, teve o cuidado de avisar os atletas que o percurso teve ligeiras alterações devido a estar a ocorrer uma batida aos javalis em partes do percurso.

A partida foi bastante rápida, tipo foguete, com o extenso pelotão a desfazer-se num ápice. O Luís Cancela, inicialmente inscrito para os 45km, arrancou bem e levou atrás de si o José Silva, para o manter na frente da corrida.

Eu, David Gonçalves, não arranquei tão bem quanto os colegas de equipa, porém a intenção era manter-me na frente dos Vet. C, um campeonato à parte dos restantes escalões, com mais sangue na guelra.

A estrutura de apoio à prova foi excelente. O Centro de Negócios da cidade de Ourém, com bons parques de estacionamento, balneários, cantina, etc., não tivesse a prova o apoio especial do Municipio de Ourém.


O percurso teve um inicio rolante contornando as abas do castelo de Ourém, fazendo de seguida o seu incurso na serra de aire, entrando-se aqui na parte mais técnica, com inúmeros single track's e dificuldade acrescida porque o terreno estava escorregadio.



Ainda não tinham percorrido 20km quando o Luís Cancela partiu a corrente, sendo obrigado a parar e abandonar a companhia do José Silva. Após a reparação decidiu alterar a sua distância previamente escolhida, enveredando pela distância maior, com o objectivo de recuperar lugares e alcançar assim uma melhor classificação.


Por fim voltou-se às encostas do castelo de Ourém, que muito contribuíram para o acumulado do percurso.

O percurso esteve bem sinalizado, mas mesmo assim houve vários grupos que se perderam em zonas rápidas, seguindo em frente. O terreno esteva pesado, com muita lama, barro e pedra escorregadia, no entanto não houve acidentes de monta a registar. Este evento tem igualmente destinado um artigo de reportagem assinado por nós na revista desportiva e 100% gratuita "O Praticante", edição 54.




ÁLBUNS FOTOGRÁFICOS


Vídeo-rescaldo

CLASSIFICAÇÕES GERAIS
Classificação Geral Meia Maratona - 45km
001.º - 02:02:04 - Gil Azóia (Roodinhas/Santos Silva) - 1.º Vet. B
002.º - 02:02:11 - Cláudio Azóia (Talacha Bike Shop/H. C. Turquel)  - 1.º Vet. A
003.º - 02:04:10 - Diogo Gaspar (MTB - Mirense Trilhos e Bikes) - 1.º Sub23/Elites
009.º - 02:15:02 - José Silva (Zona 55/O Praticante) - 2.º Vet. B (pódio)
165.º - 05:06:51 - Último

Classificação Geral Maratona - 60km
001.º - 02:19:23 - Nuno Inácio (Haibike) - 1.º Vet. A
002.º - 02:23:02 - Luís Martins (Marrazes/Brejinho/Joficina) - 2.º Vet. A
003.º - 02:24:45 - Martinho Saragoça (Marrazes/Brejinho/Joficina) - 3.º Vet. A
066.º - 03:17:49 - David Gonçalves (Zona 55/O Praticante) - 5.º Vet. C
089.º - 03:42:10 - Luís Cancela (Zona 55/O Praticante) - 20.º Vet. B
113.º - 04:14:04 - Último

CLASSIFICAÇÕES APÓS 1.ª PROVA
01.ª - 340 pontos - Marrazes/Bejinho/Joficina
02.ª - 198 pontos - Fuas Bike Team
03.ª - 183 pontos - MTB (Mirense Trilhos e Bikes)
11.ª - 054 pontos - Zona 55/O Praticante
26.ª - 003 pontos - Última


Rescaldo no Fórum BTT.

Créditos à reportagem:
Texto: David Gonçalves e João Valério
Fotos: Nuno Romeiro, ABTFoto, Zona 55.
Vìdeo: Zona 55.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Treino Semanal

 Participante: João Valério | Distância: 27km

Hoje foi dia de treino semanal, mas o tempo inconstante e as previsões de fortes chuvas, misturadas com lesões e constipações com que foram "brindados" diversos elementos da equipa e/ou familiares, vi-me na situação de fazer um treino a solo. Saí de Torres Novas eram sensivelmente 10H00 e fui em direção à localidade de Lapas onde, mal abandonei o asfalto me deparei uns muros e um enorme portão de ferro num caminho que outrora foi público. Isto começou mal.

Para abrir o apetite nada como umas subidinhas! O tempo estava-se a aguentar sem pingar, apesar das previsões. Já imaginava os elementos que não alinharam ao treino a roerem-se de arrependimento...

Alguns poças de água pelo caminho, mas nada de especial. Incrivelmente o terreno que havia escolhido para hoje nem sequer atascava as rodas. Não se via vivalma, somente o gado nos campos a pastar passivamente.

A paisagem estava extremamente bela. Tudo muito verde e a parecer que nasce água de tudo quanto é sítio. A natureza parece aprisionada, fustigada por tanta chuva que tem caído neste Inverno, aguardando a chegada da Primavera para a libertar de tamanho tormento.

À chegada à localidade de Ribeira Branca parei sobre a ponte para apreciar o agitado Rio Almonda. A manhã estava a ficar mais cinzenta e não era previsível melhoras, mas não me deixei abater por isso.

O telemóvel, que levei no interior da bolsa anti-chuva da Zona 55, não parou de me atormentar a manhã toda, pois toda a gente se lembrou de me ligar hoje. Fui aproveitando as diversas paragens para ir tirando umas fotos, à moda antiga dos treinos semanais da equipa, dando maior atenção à beleza da paisagem que me rodeava. 

É um autêntico privilégio poder desfrutar da natureza local! Os caminhos que nos levam até aos limites da Serra D'Aire são simplesmente deliciosos.


Eis que começou a chover, a normalmente chamada de "chuva parva" Uns chuviscos que mais não me importunavam que embaciar os óculos. Em apenas 10km percorridos já estava todo sujo, mas feliz! A paisagem local está diferente daquela que costumamos encontrar em dias de calor. As margens do Rio Almonda foram transpostas por tamanha quantidade de água que ali concentra. 

A Serra como pano de fundo, aproximava-se a cada pedalada. Entretanto a chuva havia parado (de vez). O sol não havia maneira de aparecer, mas não sentia frio nem desconforto algum. As vezes que me foi possível andar de btt este ano de 2014 foram muito poucas mas, de cada vez que pego na minha velha amiga Jorbi, parece-me tratar-se de um prolongamento do meu corpo, tal já estou adaptado a ela nestes 2 anos que estamos juntos.


A missão que me propus para hoje foi a de testar e verificar alguns trilhos para uma ligação da próxima Edição dos Castelos, que brevemente começará a ser promovida. Este ano queremos presentear os participantes com algumas surpresas a nível de paisagens e dar maior importância aos trilhos em redor da nossa imponente Serra de Aire. 


Verdadeiros postais fui encontrando e "congelando" ao longo do caminho para fazer inveja ao resto da malta do btt que continuam amarrados aos rolos lá em casa com medo de se sujarem. Bora pessoal, aproveitem o vosso tempo livre e pedalem pela natureza para se libertarem do conforto. 


A proximidade à Serra d'Aire e Candeeiros trouxe-me consigo alguma dificuldade acrescida, brindando-me com subidas que exigem algum aquecimento, que por esta altura já tinha bastante. O blusão de inverno e uma cinta por baixo para queimar as calorias extra do inverno estavam-me a fazer suar em pinga... 


Ali já bem perto a nossa lindíssima serra, embrulhada pela habitual névoa que lhe confere uma visão especial e a faz parecer bem mais elevada que os meros 476 metros de altitude. 


Mais um telefonema levou-me a sacar do telemóvel. O tempo voava e as diversas paragens que havia feito fizeram-me perder um treino de maior qualidade, mas o que interessa mesmo é andar de bicicleta. Continuei a pedalar serra acima para o primeiro confronto de séria inclinação.


O meu objetivo inicial foi o de ir até Moitas Venda, concelho de Alcanena, mas já duvidava se conseguiria chegar até e voltar a Torres Novas onde teria de ter o banhinho tomado pelas 13H00, por motivos profissionais.


Já com o pensamento em regressar para cumprir obrigações, o certo é que cada vez que tentava virar à esquerda a tentação de seguir em frente era maior. E assim fui seguindo serra acima, sem voltar pr'a trás e sempre olhando mais além e pensando p'ra comigo "- Como será que está agora o caminho a seguir àquela curva?".

Por aqui encontrei uns rastos frescos de btt. Para onde seguiriam? Decidi segui-los e para surpresa minha estavam a levar-me na direção do meu objetivo.

Infelizmente o tempo da brincadeira acabou e tive mesmo de voltar para Torres Novas. Pelo caminho ainda passei pela Extreme Zone, onde o João Tiago gentilmente me deu um aperto no espigão da suspensão. Esta cabeça maluca é agarrar na bike sem primeiro se fazer uma avaliação geral à bike. Mais uma vez o telemóvel tocou (depois desta ainda foram mais 3 vezes), desta feita do tipo da transportadora a avisar que já estava próximo da sede do Clube de BTT Zona 55 para nos entregar o material vindo propositadamente de Valência - Espanha, para o nosso próximo trabalho: um teste-drive ao porta-alforges para bicicletas de suspensão total apelidado de "El Burro", numa recente parceria com a empresa Joseph & Son, pois já temos na manga mais um desafio para este ano (em Portugal)... e também para o próximo (além-fronteiras).

Créditos à reportagem:
Texto e fotos: João Valério

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...