domingo, 7 de setembro de 2008

Participação da equipa (Gavião)

Marcou presença: João Valério

Classificações Classe Promoção:
Veteranos A:
1.º António Valadas - 00H31m44s
26.º João Valério - 00H55m50s
Classificação Geral:1.º Paulo Rosado - 00H30m13s
120.º João Valério - 00H55m50s



Cheguei ao secretariado (Junta Freg. de Gavião) cerca das 08H30 e a fila já era longa...


Tal como a maioria dos participantes, comecei por fazer um treininho, optando por fazer uma volta de reconhecimento à pista (5,100 mts. de extensão), que me deixou logo de rastos... subidas durissímas e descidas rápidas e perigosas.


Após a volta de reconhecimento, quando cheguei à zona da Partida eram 10H00 (partida prevista para as 09H30), onde ainda fui a tempo de ouvir o meu nome e n.º de dorsal ao megafone... e esperado... tendo o começo sido feito já perto das 10H30.


Em alguns atletas, tal como este, já se notavam uma ou outra ferida ainda com o sangue a verter devido a queda sofrida no reconhecimento ao percurso, que se adivinhava duro...
... principalmente pela enorme quantidade de atletas aderentes nesta classe de Promoção!

Um inicío de prova bastante atribulado devido ao abrupto aparecimento de algumas descidas com os conta-quilómetros já a rondar os 50km/h.





...nos primeiros 3 kms de prova as quedas sucediam-se, individualmente ou em grupos de 2, 3 ou mais atletas, tal era a competitividade e a técnica exigida pelas descidas.

Aqui uma imagem da descida mais acentuada do percurso. Bem, poderei dizer que o percurso era feito de subidas e descidas, porque partes planas só talvez 250 mts e na passagem pela partida com chão em paralelos, onde se podia baixar um pouco a pulsação abaixo dos 180 batimentos.








As subidas eram muitas e exigentes para os menos habituados a este tipo de provas, como foi o meu caso. Apesar da meta da minha classe se encontrar após 2 voltas ao percurso, somando a curta distância de 10,200 mts, a verdade é que sofri tanto como numa maratona de 80kms!

O terreno encontrava-se seco e em virtude disso o pó era muito... até mesmo a subir! Ou nos apoderávamos dos lugares da frente no 1.º km e entrávamos nas descidas com "espaço" e evitando o pó provocado pelas dezenas de pneus a rolar, ou ficávamos "entalados" no meio do pelotão (como foi o meu caso) e íamos fazendo tangentes por pequenas valas, pedras, atletas em queda e pelo bastante pó levantado deixando o ar irrespirável, ou então ficando para trás perdendo desde logo qualquer hipótese de chegar nos 50 primeiros.

Muitos eram os que se viam a subir de bicla à mão...



Eis a única zona de abastecimento, onde água não faltava, único "produto" existente. Aliás, o percurso mal permitia 20 segundos para tirar as mãos do guiador, a não ser que se levasse a bike à mão, como foi muitas vezes o meu caso.

Aqui uma descida em sucalcos, pareciam as vinhas do Douro, com 4 desníveis diferentes, cuja distância entre eles não permitia o duplo salto de chãos por serem demasiado afastados, levando a baixar drasticamente a velocidade devido às curtissímas zonas de descidas.

As subidas, quando começavam pareciam nunca mais acabar...

... e o pior é que a seguir a cada curva, a inclinação era cada vez maior.

Passando já ao resumo do evento, achei bastante bem organizado e aconselho a experimentar a quem ainda nunca experimentou correr numa prova de Cross Country, onde a exigência física é extrema, a técnica exige-se apurada e a bike adequada.

O único apontamento negativo deveu-se às horas das partidas: Promoção»10H30; Escolinhas»11H40; Federados»13H00.

Já após o final e com o corpo feito num oito, pernas, pulsos, pescoço... para a próxima Cross Country vou concerteza preparar-me melhor, o que me lixou foram os 10 kms anunciados no cartaz, levando-me a pensar que uma distância destas nunca poderia ser difícil... ah pois não!

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...