domingo, 5 de setembro de 2010

Os Trilhos da Maratona (Parte 7)

Mais um dia de loucura a calcar terreno e a analisar os trilhos da nossa 1.ª Maratona, desta feita com a presença de Jamón, Cancela e Tufo. BTT, banhos e tudo... com um total de 48kms.

Voltámos a fazer-nos aos trilhos para fazer o levantamento das zonas de passagem, pontos mais perigosos, locais para colocação de abastecimentos tanto líquidos como sólidos, postos de controlo, pontos cruciais de marcação e zonas de desvios, lugares a ficarem membros da Organização, bombeiros, fotógrafos, autoridades e veículos de apoio, enfim, mais um dia de trabalho para que no dia do evento tudo corra bem e sem surpresas.



Hoje tivemos especial atenção aos locais onde iremos proceder à colocação de informação específica de aviso aos atletas, que esperamos seja tida em atenção por todos, de forma a evitar azares... e atenção que são mesmo para levar a sério as nossas indicações!



Os níveis de dificuldades voltaram a ser revistos. Neste momento, considerando o andamento do betêtista dito "normal", elevámos ambas as dificuldades, alargando para uma escala de 1 a 10 em que os números são mais específicos, sendo 1 o nível mais baixo e 10 o nível de técnica mais exigente, os níveis da distância de 60kms passa a ser o seguinte: Dificuldade. Técnica - 9/10 e Dificuldade Física - 8/10.

O gráfico de altimetria também a distância de 60kms, oscilará entre os 1.000/1.100mts. de acumulado de subidas e está prestes a ser postado junto das restantes informações.




Na Serra, mesmo com muito calor, nem damos por ele com as brisas frescas que se fazem aqui sentir.


Finalmente umas sombras que o calor já era algum.

Mais uma zona de passagem lindíssima com um "up and down spot".







Decidimos dar um mergulho na nascente do Rio Almonda, onde a água fresca convidava...

O Cancela foi o 1.º e nem se lembrou de tirar os óculos, indo parar ao fundo da barragem, a uns 6 a 7 metros de fundo. O problema foi conseguir lá ir buscá-los... e começaram as tentativas.


Tentativa após tentativa e nada.

Lá estavam eles no fundo bem fresquinhos...

A paisagem por aqui é mesmo deslumbrante, faz lembrar as paisagens da casa do avô da Heidi, eh, eh, pelos menos deste lado, já do outro não é a mesma coisa, como poderão ver mais abaixo.

O Jamón descobriu que consegue caminhar sobre as águas: Milagre!



Finalmente foi o Cancela a recuperar os óculos. Lançou-se para o fundo agarrado a um pedregulho de cerca de 15kgs. e acreditem: deu resultado! Eis que os óculos regressaram à superfície. Que raio! Óculos que não flutuam!


Mais umas braçadas... já nem apetecia voltar ao BTT. E andámos nisto cerca de 1 hora.


Fomos depois para a parte de baixo da pequena barragem, onde a paisagem a norte continuava bonita.

Umas bonitas quedas de água. Se não conhecem têm mesmo de visitar!

Encontrámos aqui um grupo de turistas que haviam vindo de Vila do Conde e nos tiraram umas fotos giras.

O chão é o ideal: muito musgo que não nos deixa escorregar por ali abaixo.


O Jamón aproveitou para ir lavar o jersey à moda antiga.


E digam lá se não temos coisas bonitas em Portugal. E fazendo BTT encontramos muitas.


Aquele peixe é meu!!!!!

Olha o pormenor do rabo de raposa. Estamos a dominar as técnicas de fotografia.

E para acabar um mergulho duplo.

Estava na hora de regressar-mos, pois a hora de almoço já era.







Novamente água, novamente banhocas.




Eis que regressámos à bonita cidade de Torres Novas com a sua famosa taranbola sobre o Rio Almonda. Mais um dia de treino e trabalho a acabar para além das 15H00. Para terminar fomos visitar a Ana ao seu café e acalmar o espírito com umas minis fresquinhas... até para a semana a todos e não se esqueçam de se inscreverem porque queremos cá muita gente a curtir.

Reportagem: Texto e Fotos - Tufo

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...