domingo, 31 de outubro de 2010

Participação da equipa (Bairro-Ourém)

Mais uma participação da Zona 55 Bike Team, desta feita num evento proposto por uma Associação nossa "vizinha", o G. C. D. R. Bairrense. A manhã apresentou-se com muito vento e bastante chuvosa, com cerca de 50 corajosos participantes a alinharem à partida, que foi dada "à pressa" debaixo de chuva. 

O David apresentou-se reposto do acidente sofrido esta semana, aquando um treino em que foi "abalroado" por um carro, tendo partido o drop out e empenado o desviador, já mazelas foram só uns arranhões.
O Tufo (mais calórico que nunca) apresentava-se com a Jorbi alvo de uma operação ao quadro a nível de escoras, que não terá corrido muito bem, mas após afinações pré-prova conseguiu-se minimizar o problema.
Estiveram então presentes: David Gonçalves e João Valério.
Logo após 2kms percorridos, os participantes depararam-se com uma árvore caída no trilho, derrrubada pelo vento...
... a única solução era transpôr um dos muros para se poder seguir em frente.
Passados 6 kms o primeiro problema mecânico: o David partiu a corrente. 
Perderam-se cerca de 15 minutos na "operação" de montagem de um elo (valeu o Tufo), pois com as mãos engadanhadas e o querer-se ser rápido levou a perda de maior tempo.
Os restantes participantes, a nível geral sempre prontos a ajudar, lá nos foram ultrapassando até que ficámos em último! O bttista que segue mais atrás na foto acima, viria mais tarde também a sofrer problemas mecânicos,  tendo partido o seu drop out.
Ambas as distâncias proporcionadas (25/50 kms) eram comuns até sensivelmente ao km 24 e nesta altura ambas se encaminhavam a subir a Serra d'Aire até quase às antenas, pelo lado de Ourém, que para quem conhece não é pêra doce, ainda para mais com chuva e vento fortes. 
Os atletas subiam e pelo trilho descia um caudal de água que mais parecia um rio. Aproveitávamos os intervalos em que não chovia para ir captando umas fotos.
Começámos depois a descida vertiginosa (perigosa) pelo single que liga as antenas ao Miradouro. Bastante escorregadio, por entre rochas, pedras e lama abundante era difícil conseguir conciliar o controle da bike,  evitar furar e também cair, pois o local em questão é inacessível para veículos de 4 rodas e com o tempo que se fazia sentir, estava quase impossível para a circulação de motos de 2 rodas.
Notámos a falta de uma maior presença de elementos de apoio aos atletas, bem como não vimos quaisquer meios de socorro no decorrer dos trilhos, pelo que depreendemos que não tenham lá estado (dizemos nós).
 A nível de marcações nada temos a apontar, pois as fitas colocadas foram em número suficiente. Pelo caminho fomos-nos deparando com bastantes companheiros do pedal com avarias mecânicas ou simplesmente furos. Derivado às condições do terreno, David e Valério fizeram a prova a par.
 A progressão dos nossos atletas no terreno era algo lenta, tendo a média final se ficado pelos 11km/h, com uma velocidade máxima atingida de 32,6 km/h e havíamos-nos proposto à realização dos 50kms.
 O David ainda veio a sofrer uma queda, mas sem problemas de maior. Só uns arranhões no cromado.

Km após km lá fomos recuperando posições na classificação, recuperando o tempo perdido e beneficiando também dos azares dos restantes. Algumas desistências também ocorreram.

 Pessoalmente já conhecíamos os trilhos que fizémos, mas com tanta lama foi a primeira vez...

 Aproveitamos para dar os parabéns às 3 meninas (haviam mais?) que participaram e terminaram os 25kms, que apesar da dureza do percurso nunca desistiram, demonstrando grande garra.









  Aproximava-mos-nos já da ZA situada ao sensivelmente ao km 18, no sopé da serra.
 ZA indoor devido ao mau tempo.
 Alguns metros após o PC (km24,5), o Tufo teve de resolver um problema técnico no sapato direito e derivado a compromissos familiares dos 2 elementos presentes, marcando o relógio 12H00, decidiram os nossos elemntos, por unanimidade, optar pela distância de 25kms.
O total de kms percorridos acusado foi de 27,5kms, com um acumulado de subidas de sensivelmente 665 mts. em um pouco menos de 3 horas. Aguardamos agora os resultados e classificações da Organização. À chegada à zona de meta, muitos foram os participantes que apareciam na meta em sentido contrário, não seguindo as fitas que indicavam o caminho certo.

Em conclusão, a Organização proporcionou trilhos excelentes aos participantes, apesar da dureza acrescida pelo temporal, mas é sempre um prazer pedalar na Serra d'Aire. Abastecimentos suficientes, zona de banhos muito boa e com água bem quentinha. A zona de meta, à nossa chegada parecia abandonada, mas depois lá apareceu um elemento da Organização. Bom ambiente geral e quanto ao almoço não falamos por não ter-mos ficado para essa fase por compromissos familiares. À próxima desejamos melhor sorte com o tempo. 

Reportagem:
 Fotos DG e JV. Texto: Tufo.

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...