segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Participação da equipa (Rota dos Castelos)

Representação a cargo de:
Carlos António, David Gonçalves, Filipe Rodrigues, João Valério, Pedro Lourenço, Pedro Silva, Rui Almeida, Samuel Nabiça.

ETAPA #1
Além de organizadores deste evento, tal como é tradição, a nossa equipa também se faz sempre representar com uns quantos elementos, realizando o percurso total e dentro do possível dando apoio no decorrer do mesmo. Às 07H10 já se distribuíam kits de inscrição em Alvados, junto à Pousada da Juventude, onde dois dos nossos elementos pernoitaram. A concentração foi em Porto de Mós, logo a partir das 07H30, onde começámos a entregar os kits somente pelas 08H15. 


 Os elementos da Zona 55 foram chegando e, além das preparações normais em eventos do género, as responsabilidades foram redobradas face a ser-mos a Organização.

Os diversos grupos presentes iam fazendo as verificações finais, para que nada falhasse ao longo dos 69km e 1.343m D+ impostos pela 1.ª Etapa.

As diversas equipas foram também chegando e levantando os seus dorsais personalizados, sendo o G.C. Barquinhense a equipa mais representada com 20 elementos participantes.

Antes da partida um pequeno briefing para resumir as informações já anteriormente enviados aos participantes.

Este ano a foto de grupo foi captada defronte à igreja de São Pedro, em Porto de Mós, apenas 300 metros volvidos a partida. De seguida mais algumas centenas de metros até ao primeiro castelo desta rota, o Castelo de Porto de Mós.

Apenas com 600 metros pedalados tivemos de dar auxílio ao Amílcar Santos, equipa Arrefinfa-lhe no Pedal, por haver partido o veio da roda traseira. Teve de ser levado pela nossa carrinha de apoio até Fátima, onde foi assistido numa oficina local.

Foto de grupo junto ao Castelo de Porto de Mós. 

Ao km5 deparámos-nos com outra avaria. Desta feita foi o André Batista, equipa G. C. Barquinhense, com um problema no aperto da roda traseira. Desta vez, porque não tínhamos ferramentas adequadas, decidiu-se chamar ao local a carrinha de apoio da equipa G.C.B., que ainda se encontrava na zona.

A primeira parede do dia apareceu aos 6km. Poucos foram os que se puderam gabar de a haver trepado toda sem desmontar.

Finalmente conseguimos afastar-nos de Porto de Mós, mas o relógio já marcava 10H40!... Esta foi a segunda provação do dia, com uma subida em asfalto a deixar-nos alagadinhos em suor.


Seguiram-se uns quilómetros em patamar, por entre pinhais, terra batida e asfalto até às portas de Fátima.


 Junto ao Santuário de Fátima tirámos a tradicional foto de grupo.

Para o almoço fizemos um pequeno desvio, aconselhados por um popular que nos assediou com um preço tentador: 7,50€ com tudo incluído! Gastámos uns bons 60 minutos e lá voltámos ao trilho.


A nossa parte da tarde teve um andamento mais lento, mas sem grandes paragens. A partir da zona industrial de Vilar dos Prazeres tivemos uns singles deliciosos e depois, até às eólicas e Aeródromo de Pias Longas, foi sempre a subir... para depois voltarmos a embrenhar-nos na serra para mais uns trilhos de pedra, como nós gostamos.

 O dia manteve-se sempre com sol e só tivemos escassas zonas com alguns choviscos bem fininhos.

Chegámos a Torres Novas e ao Hotel dos Cavaleiros já quase noite. A garagem do Hotel foi onde disponibilizámos estacionamento para as bicicletas. À porta estava a máquina de pressão que colocámos à disposição de todos os participantes. O Jorge Rabaça foi o anfitrião da Zona 55, no local.

O check-in correu sem dificuldades e, a pouco e pouco os atletas foram chegando e subindo para os quartos para o banho merecido. Os participantes cujas opções não previam acomodação ou refeição, foram encaminhados para os balneários disponibilizados no Palácio dos Desportos, em Torres Novas, que merece o nosso agradecimento pessoal ao sr. António Ferreira. Aos atletas foi ainda disponibilizado o recuperador Total Recovery, da Nutrimania, que a  todos agradou.


O dia terminou com o jantar, também servido no Hotel dos Cavaleiros, cuja qualidade foi indiscutível, assim como o excelente servido prestado.

ETAPA #2
Após a noite bem dormida, com excelente conforto nesta unidade hoteleira que connosco realizou parceria, a foto de grupo, desta feita sem a presença do Pedro Lourenço que não realizou esta etapa, mas com o Jorge Rabaça.


Fomos ao pequeno almoço pelas 07H30, sem pressas. A maioria das equipas já haviam partido. Não chovia mas também não havia sol.

O Samuel Nabiça bebia o que sobrou do líquido isotónico Easy Power Drink, da Nutrimania, disponibilizado a todos os participantes.

Até à Zibreira rolámos com facilidade. A manhã fresca e sem chuva ajudou-nos a fazer o aquecimento necessário para enfrentarmos os 79km e 1.500m D+ desta 2.ª etapa.


A primeira provação do dia foi a ligação até Moitas Venda, com curtas e empedradas subidas, exigindo alguma técnica mas do agrado dos apreciadores de trilhos de montanha/serra.


 O céu foi ficando acinzentado e a qualquer momento aguardava-se chuva. Foi um vestir e despir de casacos durante toda a manhã, a maior parte das vezes sem necessidade.



 
A chegada à nascente do Rio Alviela e Praia Fluvial dos Olhos de Água foi num pulo. Rolámos com uma boa média e sem problemas de maior.


 Em Alcanede fizemos uma pequena paragem junto da Ponte Romana ali existente, para comer qualquer coisa antes de subirmos ao castelo e discutir qual o melhor sítio para almoçarmos, pois já eram 11H50.

 A foto de grupo junto ao Castelo de Alcanede, tirada pelos amigos da equipa "Os Mouros", sempre representados em todas as edições desta Rota dos Castelos.

A dureza veio depois com a primeira das duas mais duras subidas do dia e do evento, pela sua extensão e inclinação. Parecia uma rampa de lançamento.

Após a tovenã veio a terra vermelha com rocha e pedra, a dar-nos luta até à descida que nos levou à aldeia do Arrimal.


 Junto à Lagoa Grande do Arrimal, parámos para almoçar, onde já se encontravam também os amigos do G.C. Barquinhense.

Depois de almoço foi a derradeira subida, talvez a segunda mais dura de todo o percurso, que primeiramente nos levou até ao Arco da Memória, no Arrimal e depois às antenas da Marinha, situadas a 631m de altitude, de onde é possível avistar o mar.

 Das antenas até à Ecopista de Porto de Mós foi a provação final. Acabámos por apanhar cerca de 15 minutos de forte chuvada tocada a vento, que nos ensopou a sério e dificultou a passagem sobre pedra, com enormes atravessadelas das bikes. Cuspíamos água e limpávamos os olhos para seguirmos caminho.


Chegámos a Porto de Mós, de regresso ao ponto de partida do dia anterior, perto das 17H00, com o sentimento de conquista, tanto pela nossa participação como pela organização de mais um excelente evento guiado por GPS, a mostrar novos trilhos e paisagens da nossa zona e com um fenomenal convívio entre todos os presentes. Os banhos foram no Pavilhão Desportivo de Porto de Mós, o que merece o nosso agradecimento ao Gabinete de Desporto na pessoa do sr. Eduardo Amaral.

Termino com um agradecimento especial a todos os participantes presentes e equipas representadas, mas também aos preciosos apoios e parcerias que obtivemos. Parabéns a todos nós!

Todas as fotos do evento, links e informações diversas em: http://rotadoscastelosbtt.blogspot.pt/ 

Créditos à reportagem
Texto: João Valério
Fotos: Zona 55, G.C. Barquinhense, TSF - Trilhos Sem Fim, Os Mouros.
Vídeo: A publicar brevemente...

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...